Blog do Leão Pelado



Este blog está construído segundo as normas da W3C, pelo que pode apresentar irregularidades em browsers que não as sigam, como o Internet Explorer e o Google Chrome. As bandas rotativas não funcionam no IE e as molduras são duma só cor.


Visite o blog da Mentira!
Colaboradores:

A. João Soares, Aruangua, J. Rodrigues, Sapiens, Mentiroso



Qual Deles o Melhor?
O Diabo Que Escolha!

Haverá melhor demonstração da estrumeira em que vivemos, do esgoto em que nadamos, da areia deitada aos olhos por políticos desonestos e seus acólitos, da malvadez e traição, da corrupção geral tão acarinhada por partidos e defendida pelos cúmplices seguidores, do que o que se lê no blog intitulado Margem Esquerda, e noutros semelhantes? O conjunto dum post com os seus comentários não poderia ser mais expressivo e revelador duma mais profunda baixeza de sentimentos de falta de civismo camuflado por um intenso cinismo ordinário. Quando gentalha desta estirpe se mostra assim a nu, que se poderá esperar das gerações dos seus filhos, por eles educados? Visto nenhum governo português ter jamais tomado as rédeas da educação – tal como se providenciou nos países hoje civilizados – logo a seguir à Segunda Guerra Mundial. Por isso que na população nacional se verifica um tão baixo nível de civismo e que faz do país a escumalha da Europa.

Em consequência destas condições verdadeiramente miseráveis e especiais no mundo actual, é-se obrigado a constatar que, em geral, quanto mais alto é o nível aparente dos portugueses, a começar pelos políticos, mais baixo e podre é o seu verdadeiro nível. Na verdade, até a recente preferência dos votantes do programa sobre Os Grandes Portugueses veio revelar o apreço que os portugueses têm pelos seus actuais políticos. Salazar, o ditador que mais tempo durou na história nacional foi considerado o melhor, com mais do dobro de votos que o segundo, este também outro ditador. Os portugueses esbofetearam assim os políticos, dizendo-lhes claramente que preferiam uma ditadura ao regime oligárquico a que gananciosas aves de rapina, sabujos e traidores actuais alcunham de democracia. Tal não é a estima que têm pela corja imunda que lhes tornou a vida num inferno com cinismo, banditismo, ladroagem e tudo aquilo de que estamos tão bem ao corrente. Mas são cobardes e estúpidos, porque em vez de o demonstrarem nas eleições, votando em branco, preferem não mostrar o seu descontentamento. Afinal, acabam por ter o que merecem.

No blog mencionado todos estes esquemas mais que transparecem, são claros e confessados.

Que impostura e arrojo defender uns canalhas contra outros canalhas iguais, um clã de oligarcas contra outro igual. Que estupidez e que perda de tempo para quem se tome por inteligente, esclarecido, instruído, competente, responsável e avançado. Afinal quem será mais culpado e terá semeado mais desgraça e atraso no país? Serão aqueles que esbanjaram e roubaram os fundos comunitários de coesão desde o princípio da sua recepção e precipitaram o país na miséria económica, intelectual e moral em que se encontra, enquanto todos os outros países que receberam fundos idênticos progrediram, aumentando o atraso de Portugal de pouco mais de 20 anos para mais de 52 em fins de 2005, segundo o Eurostat? Não enganaram sempre a população como reles vigaristas desonestos?

Ou serão os do outro partido, não menos vigaristas ou desonestos, que pelo simples facto de prometerem aquilo em que jogaram durante as eleições para sonegarem votos formaram um governo ilegal?

No blog da Margem Esquerda, toma-se conhecimento de como pessoas mais instruídas podem ser também mais perversas, vis, maléficas e civicamente atrasadas. O próprio autor não se retrai em demonstrar a sua cobardia e estreiteza de espírito, genuíno castrado mental; mais pelos seu comentários que pelo próprio post. Apaga todos os comentários cujas verdades não lhe agradem, como lá se pode ler. Como poderão ser os desgraçados seres por ele criados? Não terá sido assim que se tem eternizado a desgraça mental no país? A arrogância, a selvajaria, os maus instintos, vão passando de pais para filhos. Não no-lo mostram eles, desavergonhadamente, na estrada e com orgulho de assim serem?

Como se atrevem uns a invocar princípios socialistas para justificarem os seus baixos instintos, vinganças de bárbaros, infâmias e pulhices de toda a ordem? Como se atrevem os outros a criticá-los, fingindo esquecer acções suas de não menor envergadura? Quais serão os melhores? Os que criaram a situação ou aqueles que dela se aproveitam? Os que queriam roubar os fundos da Segurança Social para o darem aos que menos precisavam, ou aqueles que roubaram os mais pobres sem nada darem aos outros? Afinal existem outros processos de financiamento da instituição, comprovados pelo seu sucesso noutros países, que ambos nos esconderam maliciosamente e de que os jornaleiros desinformadores jamais informaram.

Um clã oligárquico teima como besta em obras incongruentes. O clã oposto desaprova. E não há ninguém que mencione que, afinal, o clã que persiste na bestialidade mais não faz, afinal, do que seguir as ideias do clã que não para de rosnar contra. Afinal, as ideias mais desajustadas condenadas não são mais que o desenvolvimento das dos seus “inimigos”. Não assistimos à aplicação da “cópia conforme” das ideias do governo anterior aplicadas pelo actual? Onde reside a diferença, se é que existe? Ter-nos-ão os malvados embrutecido e debilitado a consciência a ponto de não sermos capazes de o reconhecer? O que nem uns nem outros jamais fazem é aprovar algo que prejudique ambos, como o que se refere no parágrafo seguinte. Nesse tópico, nenhum partido nem político toca.

Diz-se que se quer acabar com a corrupção. Após as eleições, não se lançam os salteadores ao assalto dos lugares de chefia da administração do Estado, tal como se de despojos de guerra se tratasse, extorquindo os lugares a gente competente que os deveria ocupar por concurso público? Se assim fosse, a horda dos incompetentes não conquistaria nenhum. Roubam-nos assim àqueles que os deveriam ocupar e à Nação em geral. Não bastará ver o estado em que a administração pública se encontra para compreender o que o origina?

Não observamos as circunstâncias em que a população vive para notarmos, pelo menos que tudo está mal? Então os que se abotoam com o dinheiro do erário público em guisa de compensação pelo mal que provocam à população, não vêm verdadeiramente aquilo que fazem? Alguém poderá acreditar na sua inocência!? Tornaram a vida impossível nas grandes cidades. Não existem transportes públicos dignos desse nome. Centenas de milhares demoram, diariamente, mais de três horas para chegarem ao seu trabalho por não existirem transportes decentes e serem obrigados a efectuar esses percursos nos seus próprios. No entanto, em lugar de conceberem transportes utilizáveis, criam dificuldades, multam, oprimem todos aqueles que já sofrem por sua própria e única culpa. Que género de acções são estas, se não de pura malvadez, de carrascos extorsionários?

Analisando o que se passou e o que se passa é impossível deixar de classificar os seus autores como traidores que, dada a gravidez do seu comportamento e consequências deveriam ser julgados e enforcados. Seria realmente um exagero?

A situação actual começou a ser previsível desde que se começou a ver o que se fez com os ditos fundos, assim como a falta de medidas acessórias, tais que a instrução e incentivos ao desenvolvimentos, o apoio das empresas nesse sentido e não o esbanjamento – a verdadeira finalidade dos fundos – que serviram para o que se sabe, incluindo para enriquecer os saqueadores políticos e amigos, que se têm sempre comportado como autênticos salteadores bárbaros. Giro, giro, que após a criação deste estado ainda haja quem acredite que tudo se vai normalizar, como nos afirmam os abortos monstruosos para neles votarem os tolos. Por milagre? Poderá tal situação que levou décadas a formar-se, mudar da noite para o dia? Com uma boa administração levaria décadas. Com uma má é para durar.

Esta situação foi “adivinhada” há mais de vinte anos e a sua preconização foi publicada há anos na Internet e contém uma parte menos antiga para a audiência internacional. Nelas se pode aprender o que é uma democracia, uma oligarquia e se conta muito sobre a corrupção e como os políticos “trataram da saúde” aos portugueses. Os factos mais recentes encontram-se em muitos blogs, como aqui ou aqui.

No entanto, a população, completamente embrutecida e cega por políticos corruptos e jornaleiros coniventes, não o viu nem o vê. Os basbaques parolos, em lugar de o verem, para júbilo e conveniência dos traidores, fazem o seu jogo atacando-se mutuamente em lugar de se unirem em luta contra a podridão. Enquanto esta atitude atrasada e néscia se mantiver, nenhuma mudança mais do que cosmética e mezinhas, em tempos de eleições, jamais terá lugar. Não está isto bem patente nos comentários do blog referido, de ambas as partes. Enquanto pobres de espírito, desmiolados e eunucos mentais se baterem entre si, os traidores corruptos serão sempre os vencedores. Pobres logrados, tolos e pedantes, que pensam viver em democracia.

Está tudo visto, tudo demonstrado e arrogantemente imposto por um bando de parasitas que nos sugam e nos sacrificam gozando à nossa conta. Que mais crimes se lhes vão permitir? De que se espera para pôr um ponto final a este estado de sítio?

5 mentiras:

Anonymous said...

Uma NOÇÃO da REALIDADE de uma VIDA POLITICA EXISTENTE neste PORTUGAL.
SÓ as VERBAS que DEVOLVEM é que não as podem COLOCAR no BOLSO.
É UM REGABOFE este PORTUGAL desde o 25 de ABRIL.
O GOZO que deu em COLOCAR O TONINHO no PEDESTRAL foi a maneira dos PORTUGUESES dizer a essa CAMBADA que os PORTUGUESES não estão SATISFEITOS com a ACTUAÇÃO deste GOVERNO.
ACHO O SEU POST UMA REALIDADE deste PORTUGAL.
touaqui42

Jorge Borges said...

Uma história bem contada de uma péssima realidade. Tocou-me em especial o raciocínio relativo à "população embrutecida e cega". Enquanto o sistema estiver empenhado, por razões bem conhecidas, em deitar poeira aos olhos do povo, este dificilmente sairá do seu embrutecimento. Sem movimentos sociais contestatários significativos, o sistema neoliberal tenderá a auto-reproduzir-se.
Um abraço contestatário

A. João Soares said...

Como já nos habituou, traz aqui uma análise muito realista e expressa sem medo. Refiro o medo porque tenho reparado que, apesar de ter sido eliminada a Pide, há muito medo em muita gente de quem era de esperar mais ousadia. O medo, aliado à ignorância acomodada tornam difícil sair deste buraco.
A nova geração tem de fazer qualquer coisa para seu interesse, mas não vejo que esteja a ser preparada objectivamente para não se resignar e acomodar ao que lhe é levado no tabuleiro.
Por este andar, terá de ser a UE a ter pena dos portugueses e mandar para cá um comissário com plenos poderes para suspender a actividade dos partidos e impor a ordem que permita «civilizar» este povo ignorante, medroso, adormecido, indiferente.
É pena que haja poucos portugueses com ligação à Internet, porque estes artigos merecem ir até aos mais distantes cidadãos, do interior e dos subúrbios.
Um abraço
A. João Soares

Anonymous said...

“Nós somos livres e a nossa liberdade em nada altera a marcha necessária e inevitável da história. A história avança com e contra nós, avança por nossa causa e independentemente de nós. E vai aonde tem de ir. É por isso que os comunistas são todos burros porque acreditam num sentido da história”.
Quitéria Barbuda

www.riapa.pt.to

LFM said...

Exacto. Vamos aproveitar a fazer análises realistas como a sua enquanto a emergente nova pide não nos puder calar!